Lugar obrigatório para visitar?

Em se tratando de turismo, é muito comum lermos pelos blogs de viagem ou vermos nas fotos do Instagram, ou até mesmo ouvirmos de amigos que já conheceram um destino frases do tipo “Ah, mas se você for em tal lugar, você PRECISA conhecer tal atração!”, ou “Vai para Paris? Torre Eiffel é lugar obrigatório!”, ou “Vai para a Itália e não vai comer pizza? Impossível!!” Mas será que precisa mesmo ser assim?

Naturalmente que alguns lugares são icônicos, seja por suas belezas, ou pela história que trazem. E muito possivelmente a maioria das pessoas que visitam esses lugares concordem que vale a pena visitar o tal “lugar obrigatório”, mas se você não faz parte dessa “maioria”, não precisa se sentir mal ou envergonhado com isso, muito pelo contrário! Eu acredito que as pessoas que não entram na onda de outras são extremamente criativas, curiosas, e essa singularidade traz uma riqueza sem tamanho para o viajante com essa característica. Mas veja bem! Se você é da turma da Torre Eiffel, por favor não me entenda mal, cada pessoa tem seu perfil, seus gostos e seus interesses… Eu mesma chorei quando visitei a Torre 🙂

Agora, falando em Romênia, existem alguns lugares que parecem ser padrão para qualquer viajante no país, o tal lugar obrigatório que certamente vale a pena, mas que não ofusca em nada a beleza de outras atrações menos conhecidas. Vou relatar um caso pessoal que passei no meu primeiro ano por aqui: em uma viagem, ainda sem ter tido a chance de pesquisar ou conhecer muito sobre o turismo daqui, fui com uma amiga brasileira fazer um passeio de 4 dias pela Transilvânia. No roteiro, a primeira atração que entrou, obviamente, foi o Castelo de Bran, o famoso “Castelo do Drácula”. A partir dele, decidimos o resto da nossa viagem.

Pedi a opinião de alguns amigos romenos no trabalho, e eles falavam sobre um tal de Castelo de Peles, comentavam que talvez eu fosse gostar, e eu coloquei ele na minha lista. Também falaram muito por cima sobre uma tal de cidade medieval de Sighisoara, e resolvi ir ver com meus próprios olhos, mas sem grandes expectativas, nada que chegasse perto da expectativa em finalmente ver o Castelo do Drácula pela primeira vez, nada mais romeno do que isso (ou pelo menos eu pensava assim)!

Pois bem, o dia da viagem chegou, o tal Castelo de Peles foi nossa primeira parada, e só de estar lá em frente a ele meu queixo já caiu. Fizemos o tour guiado por dentro do Castelo, e ao fim eu já queria fazer o trajeto de novo, pois estava maravilhada com tudo que vi e ouvi. Já fiz o mesmo tour umas 4 vezes, e a cada visita eu aprendo uma coisa nova que me faz mais encantada pelo lugar e pela história.

Foto mostra o Castelo de Peles, para mim um lugar obrigatório que não perco a chance de visitar.
Castelo de Peles

No dia seguinte, era dia de visitar o Castelo de Bran. Se eu já estava ansiosa antes, depois da visita do primeiro dia, fiquei ainda mais empolgada pelo que estava por vir! Chegamos lá, e – UAU – era mesmo o que eu imaginava: um castelo de pedras no alto de um morro, o tempo ainda estava um pouco chuvoso naquele dia, deixando o ambiente ainda mais “assustador”. Chegou a hora de entrar, e… 🙁 Decepção define. Lá não existe um tour guiado com pessoas contando a história do lugar, e as coisas e objetos que vemos lá dentro têm pouca relação com a história do vampiro mais famoso do mundo. Saí de lá chateada, pois sempre que falava para algum conhecido brasileiro que eu ia morar na Romênia, todos falavam do Castelo do Drácula, e isso gerou uma expectativa em mim que não foi atendida durante minha visita.

Vejam, não é um castelo feio, pelo contrário: é muito bonito e interessante, a história “real” que se passou no castelo também é muito interessante de se saber, afinal, o Conde Drácula foi apenas um personsagem fictício, enquanto a história real da Romênia se passou dentro das paredes daquele castelo. Depois da minha primeira visita, busquei conhecer melhor a história, e nas outras duas ocasiões que estive lá, já vi tudo com outros olhos. Mas este lugar, considerado um “lugar obrigatório” para tantos, não chega nem perto do Castelo de Peles, que para mim é um dos castelos mais lindos que já visitei (e sou apaixonada por castelos, já visitei muitos!!). Isso sem falar sobre a tal cidade medieval de Sighisoara, que até hoje é minha cidade preferida no país!

Imagem mostra o Castelo de Bran, para muitos um lugar obrigatório de visitar.
Castelo de Bran

O que quero trazer para vocês com isso? Um claro exemplo de uma das coisas mais fortes que eu acredito no turismo: para mim, cada pessoa é única, então cada viagem que fazemos deve ser única também. Sempre que planejamos uma viagem, temos que pensar no que nos faz feliz, o que realmente gostamos, quais são os nossos interesses de verdade, ouvir a experiência de outras pessoas, mas entender que algo que seja excelente para o outro, talvez não seja tão excelente assim para mim. Ou vice-versa. Não há problema algum em querer visitar lugares que tantas pessoas comentam, mas só quem já passou por essa sensação de descobrir um cantinho que é a sua cara mas “que ninguém conhece” entende como esse sentimento é mágico!

E é justamente esse sentimento que eu já senti tantas vezes que eu quero trazer para vocês no meu trabalho como Travel Designer. Quero que cada pessoa que faça um desenho de viagens comigo possa descobrir lugares incríveis na Romênia, que encham seus corações de alegria ao estarem lá. Pode ser que esse lugar seja o Castelo de Bran, mas talvez esse lugar mágico para você seja uma floresta mal assombrada, uma estrada cheia de curvas, ou uma praia cheia de vacas – e sim, a Romênia tem tudo isso.

E então, você está pronto para encontrar essa sensação dentro de você? Conta para mim aqui nos comentários o que mais te deixa feliz, vamos nos conhecer melhor para que eu faça a sua viagem pela Romênia, aquela viagem SÓ SUA, do seu jeitinho, acontecer! Se preferir, clica aqui e me manda uma mensagem para conversarmos melhor!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.